Ensaios de migração


Ensaios de migração para embalagens e equipamentos plásticos em contato com alimentos

No mundo de hoje, a embalagem não é usada apenas para embrulhar o produto, mas desempenha um papel vital na diferenciação do produto e dá um impacto positivo do produto aos consumidores. Qualidade, segurança e desempenho são os aspectos mais essenciais dos produtos de embalagem. Da mesma forma, é essencial que o alimento embalado seja seguro para o consumo - com os componentes da embalagem não migrando para o alimento.  Para este propósito, vários países estabeleceram regulamentos para os materiais de contato com alimentos.

 

Migração

A preocupação com materiais em contato com alimentos é que eles podem transferir produtos químicos ou metais para os alimentos ou bebidas em níveis que têm o potencial de causar danos à saúde humana ou podem causar alterações organolépticas (contaminação) nos alimentos. Para plásticos, papel, cartão, borracha e silicones, o processo de transferência de produtos químicos é conhecido como 'migração' e é um processo de difusão controlado por fatores como o tipo de material, tamanho das moléculas migrantes, tipo de alimento, temperatura e tempo de contato entre o material e comida.

 

Embalagem de alimentos

 

Assim, moléculas pequenas tais como monômeros de plástico (por exemplo, cloreto de vinila e estireno) movem-se livremente no polímero e migram rapidamente para líquidos que estão em contato com a superfície do plástico. Moléculas maiores, como alguns aditivos plásticos, movem-se menos livremente no polímero e a migração será, portanto, muito mais lenta. Com alimentos secos ou outros alimentos sólidos, há menos contato e portanto, a migração será mais lenta. No caso de vidro, cerâmica e metais, o processo é mais de "lixiviação" do que a migração, e normalmente são líquidos agressivos, como bebidas alcoólicas ou alimentos ácidos, que podem ter uma ação de dissolução que leva à contaminação proveniente principalmente da superfície do material. Assim, a contaminação por chumbo pode surgir de um "copo de vidro" quando “condensados alcoólicos” são deixados em contato por um longo período ou outros metais podem ser lixiviados por alimentos ácidos (por exemplo, esmalte colorido de cerâmica ou artigos de cerâmica).

 

Na indústria de alimentos e bebidas, embalagens e utensílios que entram em contato direto com alimentos estão sujeitos a uma rígida regulamentação e precisam demonstrar conformidade para serem colocados no mercado brasileiro. 

 

A análise desempenha um papel crítico nesta área com a identificação de plásticos por FTIR sendo útil para determinar o tipo de polímero e talvez alguma indicação dos aditivos que estão presentes. Para a análise de alimentos e simuladores de alimentos, uma variedade de técnicas analíticas é empregada para determinar se a migração ocorreu. Headspace GC e GC-MS são utilizados para análise de monômero, enquanto HPLC e LC-MS são rotineiramente utilizados para a análise de intermediários e aditivos de baixa volatilidade. Análise elementar por AAS ou ICP-OES é importante quando se estuda a lixiviação de metais pesados da cerâmica e de panelas de metal. 

 

Por isso, para garantir o rápido acesso de seus produtos ao mercado, o Laboratório de Ensaios Têxteis e do Vestuário do Instituto SENAI de Tecnologia Têxtil, Moda e Confecção realiza testes e análises que são capazes de assegurar essa conformidade no menor tempo possível, com um prazo de entrega de até 15 dias úteis. Nosso laboratório dispõe de equipamentos de última geração (GC/MS, UPLC/MS, ICP-OES e FTIR-ATR), e pessoal técnico altamente capacitado para atendê-lo com rapidez e confiabilidade.

A análise não direcionada desempenhará um papel cada vez mais importante no futuro e inovações como nanomateriais sendo utilizados como materiais em contato com alimentos apresentarão futuros desafios analíticos.

 

 

Laboratorio_Cromatografo

Cromatógrafo gasoso com massa utilizado para detectar ftalatos.

Laboratorio_Espectrofotometro

Espectrofotômetro de emissão atômica com plasma de argônio
indutivamente acoplado para detectar metais em migrações específicas.



Alguns dos ensaios oferecidos pelo nosso laboratório:

Análise para identificação de substâncias perigosas/ ensaios de Toxicidade: 

- Aminas aromáticas derivadas de corantes azoicos: ANBT NBR 16551; BS EN 14362

- Corantes dispersivos: ANBT NBR 16503; DIN 54231

- Metais pesados: ANBT NBR 16498; METHOD 3052 e 3051A; ABNT NBR 13883

- Determinação de ftalatos: ABNT NBR 16040; ANBT NBR 16525; Portaria Inmetro nº 563/2016

- Teor de pentaclorofenol: ABNT NBR ISO 17070

- Determinação do teor de cromo (VI): ISO 17075; ABNT NBR 11671

- Segurança brinquedos - migração certos elementos: ABNT NBR NM 300-3; 4 e 5

 

 

Instituto SENAI de Tecnologia Têxtil, Moda e Confecção

Laboratório de Ensaios Têxteis e do Vestuário

(11) 3312-3551 / 3312-3593 

E-mails: regiana.lima@sp.senai.br ou marcelo.lpereira@s.senai.br

Confira nossos ensaios: http://bit.ly/laboratoriotextilvestuario

Conheça o Instituto: http://bit.ly/institutosenaitecnologia

Siga nossa página do LinkedIn: http://bit.ly/institutosenaitextil_linkedin 


 

 

LEIA NOSSOS ARTIGOS

- Entendo as técnologia repelentes à água 

Química dos corantes

 - Grafeno, a chave para têxteis inteligentes futuristas

Toxicidade escondida nos produtos químicos têxteis

Inovação em Têxteis: Supercapacitor de Tecido

Tecidos para vestimentas de proteção: saiba mais!

Afinal, o que é retrorrefletância? 

Entendendo o espaço de cor L*a*b* 

Teste de durabilidade na era da "moda rápida" 

Testes laboratoriais para ftalatos 

Ensaios de Solidez à Luz